Luz do mundo

Cristianismo: há quem o olhe de fora e o imagine ser uma filosofia. Pode haver também quem o entenda como uma forma de ver o mundo. Diria que o cristianismo é a plenificação da filosofia tal como busca pela verdade, como amor à sabedoria. Uma vez que o verbo, ou seja, a palavra, a razão criadora, a perfeição do pensamento se fez carne, encontramos a verdade, nela tocamos, dela ouvimos segredos da Eternidade, alimentamo-nos dela inclusive.
O cristianismo é mais que uma forma de ver o mundo: por onde aparece na sua forma autêntica, é a Luz que verdadeiramente esclarece o que é o mundo com suas seduções, a carne com suas paixões e o diabo com suas tentações.

Estado Laico ou Estado Ateu?

Hoje vi uma matéria altamente tendenciosa no jornal Estado de São Paulo que dizia sobre um patrocínio feito pela prefeitura de São Paulo (Kassab) à Igreja Católica para a realização de uma passeata. Então eu compartilhei a notícia no facebook com o comentário “O Estado é laico, não é Ateu. Se patrocina parada gay, pode patrocinar passeatas religiosas e ponto.”

Então fui questionado por um conhecido, conforme podem conferir no link acima, do porquê de eu relacionar “ateu” e “gay”. Achei considerável publicar minha resposta aqui. Espero não ofender nenhuma opinião alheia, apenas argumento minhas convicções. Fique à vontade para dizer as suas e assim podemos ter uma boa conversa sobre isso. Abaixo, a transcrição adaptada das minhas postagens.

“Oi Felipe, boa sua pergunta. Se você ler melhor, vai ver que não fiz comparação entre ateus e gays. Alías, a maioria dos meus amigos gays não são ateus.

O que acontece é que hoje os ativistas homossexuais tem lutado para proibir as opiniões cristãs a respeito do ser ou não ser homossexual. E fazem isso com rótulos, com taxações como a de “homofóbicos”, o que na minha opinião não cabe há alguém que conhece dialogar em paz.

Além disso, os ativistas gays, com interesse mais político do que qualquer outro, alegam que as igrejas não podem ser ajudadas pelo governo, por que o estado é laico. Ou então que a Igreja Católica não pode manifestar opiniões políticas, por que o estado é laico. Ou então que a psicóloga protestante, Marisa Lobo, não pode defender a sua tese de que não concorda que o homossexualismo é original (algo que está na origem) ou mesmo algo comum, sem transtornos psíquicos – porque o estado é Laico.

Ora, o “Estado Laico”, pela constituição tem dever de dar direitos iguais a todas as religiões se manifestarem. Mas o que vemos é uma grande tendência do ateísmo governar, já que movimentações culturais de todos os tipos são sempre muito bem vindas, como por exemplo, fechar a avenida Paulista para a Parada Gay, ou uma doação em dinheiro, mais um enorme trio elétrico que o conselho de psicologia doou para um grupo de homossexuais exprimirem seus direitos, tocando música eletrônica e dançando sensualmente sobre ele.

E quando se fala em apoiar os cristãos com camisetas e um trio elétrico o preconceito é facilmente difundido dizendo que o estado é Laico e não pode fazer isso. As religiões têm direitos iguais sim de receber apoio do estado para se manifestarem. Isso é cultura.”

Banhados por Rios da Verdade

A Deputada Estadual do Rio de Janeiro, Myrian Rios, deu um banho de coragem, audácia e conhecimento da verdade ao defender publicamente sua opinião acerca da PEC 23/2007 que, trocando em miúdos, garante privilégios aos homossexuais com a intenção de ‘combater a homofobia’.

Convoco a todos os cristãos e pessoas de bem, que não estão vendadas pela mentira tão difundida pelo 4º poder, o midiático, a expressarem seu apoio na luta contra os anticristãos e os que são contra a verdadeira liberdade de expressão.

Ser homossexual não dá o direito de ofender a fé alheia, ou a cultura heterossexual do próximo.

Parabéns Myrian Rios, pelo seu poderoso testemunho de conversão e seu poder de difundir a verdadeira fé no ambiente político em que atua.

Abaixo, o vídeo onde a deputada expressa sua opinião.

Maria…


Como não crer? Como não amar? Como não respeitar?

“Uma espada de dor, transpassará o seu coração” (Lc 2, 35)

A covardia do homem moderno e de sua falsa liberdade vem tentando excluir de sua vida a idéia de maternidade. O homem não quer mais ter nada acima de si.

Já alcançou o espaço. Já alcançou o fundo da terra. Já alcançou até mesmo o psiquismo humano.

Mas a covardia e a rebeldia do homem contemporâneo que visa tanto o progresso exterior, não alcançou e os alicerces que dão real sentido à existência! O homem é incapaz de compreender, de crer e de por em prática aquilo que foge de seu domínio científico!

Ora, se pelo Espírito Santo, o mundo foi feito mundo, o homem foi feito homem, e o sopro gerou a vida, até que me provem o contrário (já que o moderno quer por tudo à prova experimental), Maria foi coberta com a sombra do altíssimo e Jesus Cristo, nosso senhor e salvador, foi gerado.

Se quiserem  questionar, que o façam, mas que aguentem as consequências como filhos criados sem mãe, só que por escolha própria.

Maria, nós te amamos. Perdoa-lhes, pois eles não sabe o que fazem.

Os artifícios de Karol

A benção, João de Deus, João da Arte
Caro Karol
Que, tal qual, magnífico artíficie
Soube transformar o invisível, o ideal
Em aparência viva, sólida, real

Assim o fez, quando das letras dormentes
Ao despertar sua mente
Inventou palavras, poesias belas

E das cores pálidas, criou sorrisos
E dos ossos secos, reergueu os jovens
E dos quatro cantos do céu, clamou de Deus o Santo Espírito
Reesculpindo a pedra, como um novo Pedro, com as mãos chagadas de nosso Cristo.

Mas, que belo artista!
Mas, que belo artíficie!
Quando em suas mãos ele consagra o pão
E cores já não bastam para a branca hóstia esculpida por suas palavras

E a pisada uva ganha então consolo,
quando Sangue redentor se torna em suas mãos
Tais quais suas dores, lado perfurado, como o do Senhor.

E de consolado, é consolador

A antiga lança, acertada em Cristo
Moderna ficou, dando agora tiros

E os que duvidavam, questionavam Deus
Modernos ficaram, e filosofaram,
E até proclamaram: “Deus está morto!”

Mas quem viu João Paulo,
Viu também a Cristo, viu nascer perdão
E deu liberdade dentro da prisão

E João Paulo vira, logo num segundo
Bem-aventurado, inspirador do mundo

Brado agora a forte, cumpro sua ordem:
“Eu não tenho medo! Eu não tenho medo.
Pois meu coração se abre, se escancara agora
E declama a Cristo: volta, sem demora!”

A benção, João de Deus!

E ai, Carnaval?

“A felicidade do pobre parece
a grande ilusão do carnaval:
agente trabalha o ano inteiro
por um momento de sonho
pra fazer a fantasia de rei ou de pirata ou jardineira
e tudo se acabar na quarta-feira”
(Felicidade – Tom Jobim e Vinícius de Moraes)

Ora, caros autores dessa letra, os quais tenho como grandes ícones pessoais da MPB. Carnaval, até onde eu saiba, é um período de festas cujos participantes entendem estar ‘tudo liberado’, sem choro, nem repressões, sem problemas, enfim, onde todos cantam juntos e alegremente.

Mas, caro Vinícius, pelo que pude perceber, o grande terror do carnavalesco é a quarta-de-cinzas. Por que? Ora, é nela que tudo se acaba! Tudo o que? Tudo aquilo que é idealizado pelas tais festividades, tendo como base algo parecido com o ‘…PARAÍSO?!…’.

Caros autores… Se conhecessem o Reino-dos-Céus, do qual Jesus falou, com certeza, iriam se preocupar muito mais com algo que não é fantasia, que é sua estadia neste reino; além de não existir uma quarta-feira para por fim em tudo, já que a alegria que vem de Deus é verdadeira e eterna!

E a você, leitor, fica o recado: eu prefiro a eternidade com Deus, numa alegria sem fim, que alguns dias, limitados por uma quarta-feira, de profundo vazio. Vazio sim, já que muitos pra se manterem em constante agitação precisam consumir grandes doses de álcool e drogas. Conclusão: fim de festa sem dinheiro, sem ninguem, já que ‘eu sou de ninguem, eu sou de todo mundo’… e sem Deus…

Na boa! Sou feliz por ser católico!

Garçom, uma Ice.

Garçom, uma ice, por favor. E assim surgiu em minha mesa um copo repleto de gelos. Ora, “é impossível encher meu copo com todas essas pedras dentro dele”. Fiz o teste. Peguei minha garrafa, virei. O líquido foi entrando pelos espaços, pelas brechas que os gelos deixavam. Em instantes o copo ficou cheio do líquido. E o líquido fazia o gelo sumir.

É mágica? Não, é Deus.

Não acredita em Deus? Colocou pedras de gelo em seu coração? Pois bem. Deus é capaz de tocar e adentrar os espaços mais desacreditados da sua vida.

“Pai, derrama sobre mim o Teu Espírito”. E a garrafa-Deus se inclina até você e te preenche.

Está vazio?. Arranque as pedras.

Dê uma chance pra Deus. Ele não decepciona.

Quando a covardia mata o ser humano

Olhe para a sua história. Pare. Reflita. Lembre-se dos bons momentos, também dos ruins.

Pois bem. Se você foi capaz de realizar esta efêmera dinâmica, é mais do que óbvio que possui uma história pra contar. Onde quero chegar? É simples.
Jamais poderíamos escrever uma história em nossas vidas caso não nos tivessem dado o direito de fazê-lo. Se minha mãe, por inúmeros motivos, pensasse em não me sustentar durante os nove meses que passei em seu ventre, algo no mundo seria muito diferente do que se hoje apresenta.
Sim, fui ousado. E você também o deve ser. Cada um de nós faz toda a diferença neste mundo. Se nos foi permitido nascer nesta terra, foi também dada a nós a capacidade de interferir em tudo o que nela existe pelo simples fato de estarmos vivos.
Por mais demagógico que possa parecer, acredite: o aborto provocado hoje agrega infinitas consequências negativas à humanidade. Não vote em favor deste crime, deste pecado. Além do mico-leão, e de outros animais em extinção, proteja também o ser humano indefeso que habita no silencio profundo do corpo de sua mãe. Não seja covarde.