A ferida da Pureza

Nem se quer eu existia
Já pensavas Tu em mim
Criaste Tu os luzeiros
Separaste noite e dia
Logo então me criarias:
viveria eu sem fim.

Mas, sem fim, minha liberdade,
Tal confiança me puseste,
Foi alvo de tiro certeiro
Ferindo-me a vaidade
Pequei fugindo à verdade
da pureza que me deste.

Pensava agora andar só
Ouvi teus passos no jardim
Era Deus um missioneiro
Inclinando-se ao pó
Miserável, pobre pó
Que o pecado fez de mim.

Delicadas tuas mãos
Estranhei suas feridas
“Não és Tu Deus, o Primeiro,
Forte, Poderoso e São?
Sangra o teu coração!”
“Manchando-me com meu sangue
Resgatei tua pureza.
Morrendo por ti na cruz
Devolvi tua beleza.”

Deus Ferido

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s