Good Night Tree Hill, you leave too

O que mais gosto em personagens é que cada um deles guardam um traço que identificamos em nós mesmos. Assim, todo filme, seriado, romance literário – os de qualidade é claro, novelas da Globo não contam -, são para nós um material que usamos para construir um lugar novo no nosso coração.

Neste lugar, guardamos olhares, palavras, silêncios, que nos de alguma forma despertaram em nós sentimentos e sensações que nunca mais havíamos experimentado. Pensamentos e intuições que por tanto tempo estavam enterrados

Assim que uma bola de basquete nas mãos de um garoto sonhador, uma amante de rock solitária, uma melhor amiga cantora e um rapaz errante que repensa suas atitudes com o outro falam comigo em nove anos de existência, ainda que eu os tenha acompanhado por apenas 5 anos e alguns meses.

Jamais vou esquecer daquela solidão que me atingiu num domingo de manhã, quando passeando pelos canais do SBT, encontrei um episódio de uma série onde, no final, tudo dá errado! Achei aquilo maravilhoso e resolvi correr atrás! E estou correndo até hoje atrás de mim mesmo por essa série sem que eu tenha percebido! Até julguei que aquilo fosse o final da série passando naquele momento. E me identifiquei com a situação que eu vivia comigo mesmo e com muitas coisas da minha vida.

One Tree Hill, é mais que um seriado, é um mundo que eu criei em mim mesmo, um refúgio das mazelas da realidade, uma companhia para a solidão. Hoje One Tree Hill vai embora do futuro de todos nós e é o momento de se repensar o que fazer da vida. E fazer valer a pena todas as lições ali aprendidas.

Dan Scott morreu redimido. E o mesmo espero que aconteça com meus erros. Que todos eles morram, mas perdoados. E que o bom da minha vida prossiga em paz!

Boa Noite, Tree Hill! Descanse em paz.