Ação!

A vida corre,
avança e morre.

Não é ensaio.

Não é talvez.
É de uma vez
Um sim ou não.
Um coração

Que vai batendo até que alguém lhe abra
A porta estreita do caminho certo
Que é formado por passos incertos.

Alguém há de escrever um dia:

“Aqui jaz.”

Mas quem hoje é capaz
De anunciar o que seria

Se a direita chorar
Vendo meu corpo pra esquerda andar?

Ação

Respostas

Há tempos não escrevo aqui, pois não sabia necessariamente o que dizer. Hoje percebi o quanto tenho me enganado pensando assim.

Quando se descobre a proeza dos passos, nem sempre se descobre para onde caminhar. E, 22 anos, se sabe muito bem andar, correr, voar sem mesmo sair do lugar.

Mas quando surgem algumas barreiras, algumas questões, lembramos que nossos pés não conseguem falar. E lembramos, também, que, com 22 anos, não se tem todas as respostas.

Mas o que fazer? É preciso caminhar… Cair, se machucar, sangrar, as vezes rolam umas ofensas pela dor, mas aí vem a fase mais difícil: a de se levantar.

Ta aí uma coisa q eu não entendo: como é que agente pode se batizar, confessar, comungar, rezar… E aí agente peca, sente prazer no que faz, na cara dura. Isso se repete várias vezes. Várias confusões, vários tormentos, várias dúvidas. E Deus? O que ele faz?

Ele se rebaixa. Olha nos nossos olhos, segura nossas mãos, ajuda a levantar. E continua nos amando do mesmo jeito.

Como isso? Como ele consegue? Por que ele não desiste? Por que?

Não consigo entender…

E esse amor dele chega a doer em mim…

Jesus