Além da Prata

No caminho da Prata, que finda
Há um novo tesouro:
Vale mais, muito mais do que ouro.

São idéias, debates, conceitos
Inúmeras formas, mil jeit0s
De ser gente, pessoa, alguém.

Aqui ninguém me detém
Meu pensamento vai além
Do que eu imaginava.

Imaginar não se prende a uma idade
Tão pouco à mensalidade.

Aqui as palavras penetram minha vida
Fecundam minha memória
E, a cada dia que passa, concebo uma nova história.

Essa ponte em que fico, me eduque
Ainda que o esforço machuque
Aqui tenho um orgulho: o orgulho de ser PUC.

Projeto, Eu

Projetar-se para o projeto
Lançar-se ao alto do incerto
Tão perto,
O futuro é tão inquieto!

Mas o presente?
Ah! Ele é tão corrente
Que nem mesmo agente
Que o vê e o sente

Entende

Compreende

Apenas se prende

Mas projetar é escapar?
É sair do lugar?
Voar… Rumo à tela branca

Mas o tolo não se manca
Que o projeto é ele, o próprio
E que  projetar é viver.

Mas e o projetor?
E a tela, Senhor?

Onde está?

Ora, projeto, não seja frustrado, homem!

Onde te vês?
Onde estás carregado, enfermo?

Na maca do madeiro
No sangue todo inteiro.

“Pai, perdoa-os…
Projetos não sabem o que são
Não sabem o que fazem”

Com o Todo-Projetor

Voe, luz

“Sou eu a luz do projetado mundo”

Projeto de mundo

Visão mais profunda, inalcansável
Dicotomia,

E mia de dor,
Da separação
Ciência, Religião?

Vírgulas, vírgulas e mais vírgulas

Dividir?
Melhor o pão.

Porque o projeto, se dividido
Será ele todo em vão.

Mas quem criou o projeto,
Ainda que, pra mim, incerto
Num mísero espaço faz
O fim com cara de começo.. Eterno..

Eu nasci pra dar certo

Chefia, mais uma dose!

Pediu uma dose? Agora beba! – Não bebe? Então não peça!

Seja lá qual for a sua religião e sua crença no que diz respeito à “produção de filhos”, não se pede um filho por meio de um ato sexual sem que se esteja consciente da RESPONSABILIDADE envolvida na criação dessa nova vida.

O aborto não é um esporte, não é tão simples quanto não gostar de uma bebida e jogá-la pelo ralo, ou então devolver ao garçom pedindo uma troca. Quando se dispõe a ter um filho, o mínimo que se deve ter em mente é que não somos donos nem mesmo de nossa própria vida, que dirá da vida daquele que está em seu ventre, ou no ventre de sua parceira.

Não tenho tantas palavras quanto essa garota de 12 anos: espero que pelo menos um pouco fique guardado nas memórias de vocês… aproveitem..

E parem de pedir  ‘doses de crianças’, mas caso peçam, não as jogue fora.

PARA A LEGENDA EM PORTUGÛES, CLIQUE NO ÍCONE CC QUE APARECE DE VERMELHO. CASO HAJA DÚVIDAS DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI, SINTA-SE EM CASA!

E ai, Carnaval?

“A felicidade do pobre parece
a grande ilusão do carnaval:
agente trabalha o ano inteiro
por um momento de sonho
pra fazer a fantasia de rei ou de pirata ou jardineira
e tudo se acabar na quarta-feira”
(Felicidade – Tom Jobim e Vinícius de Moraes)

Ora, caros autores dessa letra, os quais tenho como grandes ícones pessoais da MPB. Carnaval, até onde eu saiba, é um período de festas cujos participantes entendem estar ‘tudo liberado’, sem choro, nem repressões, sem problemas, enfim, onde todos cantam juntos e alegremente.

Mas, caro Vinícius, pelo que pude perceber, o grande terror do carnavalesco é a quarta-de-cinzas. Por que? Ora, é nela que tudo se acaba! Tudo o que? Tudo aquilo que é idealizado pelas tais festividades, tendo como base algo parecido com o ‘…PARAÍSO?!…’.

Caros autores… Se conhecessem o Reino-dos-Céus, do qual Jesus falou, com certeza, iriam se preocupar muito mais com algo que não é fantasia, que é sua estadia neste reino; além de não existir uma quarta-feira para por fim em tudo, já que a alegria que vem de Deus é verdadeira e eterna!

E a você, leitor, fica o recado: eu prefiro a eternidade com Deus, numa alegria sem fim, que alguns dias, limitados por uma quarta-feira, de profundo vazio. Vazio sim, já que muitos pra se manterem em constante agitação precisam consumir grandes doses de álcool e drogas. Conclusão: fim de festa sem dinheiro, sem ninguem, já que ‘eu sou de ninguem, eu sou de todo mundo’… e sem Deus…

Na boa! Sou feliz por ser católico!

E agora, o que virá?

Abre os olhos criança!
Porque o mundo espera por você.

As estradas são tortuosas.
Os caminhos são amargos.
Mas os frutos… os frutos são doces.

Doces como o sorriso que nasce
regado pelas lágrimas da luta.

Doces como a paz da vitória
alcançada após o trabalho.

A vida sorri para ti
Como há 22 anos atrás.

Mas, criança, a decisão é tua:
A vida lhe sorri novamente
E te faz uma série de propostas vitoriosas;

Hás de passar pela luta,
Mas a vitória na hora certa surge
Como o sol que, de manhã
Enxuga suas lágrimas

Abra os ouvidos, escute a vida
Que com firmeza outra vez te indaga:

E agora, o que virá?