Sem Título – Como alguns dos dias de minha vida…

Hoje olhei para este blog e senti a necessidade de atualizá-lo. Porém, há um grande probleminha: eu não sei o que devo escrever (risos, ou não!).

A partir disto estou começando a lembrar das vezes em que não soube o que dizer nos momentos mais críticos, o que cantar ou mesmo o que redigir. Às vezes diante de uma questão de física, de matemática, no vestibular, não soube por onde começar a resolver.

E então, é o fim? De jeito nenhum!

Em primeiro lugar, é necessário reconhecer que não se sabe como agir. Porque eu conheço gente que faz qualquer coisa para nunca parecer que está errada! Em segundo lugar é necessário buscar ajuda. Nas questões de física que não encontrei resposta, busquei auxílio de um professor ou mesmo de um amigo que sabia os melhores caminhos. Então tudo fica mais claro.

Lembro então de uma música que cantamos no momento de adoração do coral “I Tipi Loschi” que dizia: “Seja qual for o seu problema: fale com Deus, Ele vai ajudar você.” Acesse aqui a música.

Deus nunca desampara ninguém. Faça esse desafio: “Entregue sua vida, seus problemas, fale com Deus, Ele vai ajudar você.”

Faça como João Paulo II, deixe Deus se inclinar até você diante de sua fraqueza.

Continuo não sabendo o que escrever, mas não vou desistir, assim que me for inspirado algo eu volto aqui pra contar!

O sonhos e o mar

MAR PORTUGUÊS
“Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal! 

Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se alma não é pequena!
Quem quer passar além do Bojador,
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu
Mas nele é que espelhou o céu.”
(Fernando Pessoa)
Se você é um dos que possui sonhos, mas sofre ao tentar realizá-los, Bem Vindos à Vida Real. Esta poesia de Fernando Pessoa ilustra, com perfeição, muito daquilo que fazemos dia após dia: Vislumbramos algodesejamo-lotraçamos maneiras de conquistá-lo, colocamos os planos em prática para, enfim, – ao menos deveria ser assim – alcançar o que tanto sonhamos.
Ora, muitos de nós nem conseguimos passar da primeira etapa pois não temos coragem de chorar como os portugueses, aceitar o sofrimento como parte da vida humana neste mundo e entendê-lo não como inimigo, mas como aliado de nossos anseios.
Vivemos a ilusão de alcançar uma meta, por exemplo a de passar num vestibular – Eis aí minha meta! -, mas não nos damos o trabalho de sentar um dia inteiro numa cadeira e estudar como se todo o tempo que tivermos seja pouco para isso. Devemos encarar o mar, passar além da dor das renúncias que o sonho exige que as façamos, tal qual deixar de assistir à televisão ou passar menos tempo fazendo algo que me impede de conquistar o meu “mar”.
Lembre-se: não basta apenas sonhar. É necessário se lançar no sonho como Pedro, no Evangelho, andou com Jesus sobre o mar. Porém, pela falta de fé, Pedro afundou. Independente de sua religião. Esta reflexão bíblica nos traz à memória a importância de acreditar no sonho que se tem, e ir até o fim para realizá-lo.
“Mesmo que tentem enterrar teus sonhos: vê se não desiste NUNCA. Inspira o resto do mundo” (Letícia Maria de Castro – Banda Shemah)